Adeus, Luzia


Dormiu por tanto tempo a Luzia
e no fundo da caverna esperou para mudar a história
Mulher descavada e exposta na janela de vidro da memória
Morreu duas vezes.
Mulher negra, nossa mãe de criação,
eva americana,
elo perdido de um paraíso vilipendiado.
Na fogueira do descaso, vira pó ao lado de tantas filhas exterminadas
nesse país sem rosto de mulher

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Superstição!

Árvore da Vida, do Klimt