O NASCIMENTO DE JENIFER


Antes de haver tempo, nasceu da espuma das ondas ou de uma concha de madrepérola, uma deusa que seria dita do desejo, da beleza e do amor e todas as delícias humanas. Afrodite, depois Vênus, foi venerada e nunca esquecida.
Já no tempo da história, um homem que pintava, dentre vários outros que desenhavam ou esculpiam, pensou nela como uma moça bonita de cabelos longos e vermelhos, que envolviam a sua nudez pudica. De um lado, um casal de ventos soprava sua chegada à costa; de outro, a ninfa primaveril ensaiava manter o seu recato com uma coberta de flores.
Ontem nasceu Jenifer, expelida pela barriga da mãe, que foi morta e esmagada pela madeira que um caminhão levava. Recolhida pelo resgate entre as vísceras desta mulher que viajava de carona numa busca, talvez do desejo, da beleza e do amor. Naquelas brechas de carne e carga, a menina chorou e encontrou ar e vida. Resistente e teimosa insistência no meio do desastre, ganhou o manto prateado dos primeiros socorros e a lágrima escondida dos bombeiros.
Se eu fosse a avó de Jenifer, contaria a ela que sua mãe era uma linda concha furta-cor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Superstição!

Árvore da Vida, do Klimt