Uma mulher de pedra que chora.

Da multidão que passa por ali todos os dias poucos notam a mulher.
Se você parar um pouco em frente a ela, e apurar os ouvidos, ela te contará sua história.
Às vezes, o tempo de uma fotografia é suficiente.

Ela me contou, ou eu escutei, que um dia sentara ali para esperar seu homem; um homem que ela conhecia ou que ela queria conhecer - ninguém sabe.
Chegara ali em uma primavera, sentara confortavelmente num banco do páteo em frente ao Museu do Louvre e olhara a multidão. De início, com a coluna ereta, um cruzar de pernas, um olhar afiado. De todos os homens, cada um podia ser ele. Alguns até firmaram seus olhos nos dela, disseram um oi, olharam suas pernas.
Os dias foram passando e alguns homens lhe deixaram flores, outros poemas, mas a maioria passara indiferente por ela.
Entrara o verão e fora embora. Depois o outono e também fora, e com eles tantos outros homens.

Quando eu parei ali para olhá-la e tirar sua foto já era inverno. Ela parecia uma estátua de pedra, encurujada, triste, dobrada sobre o peso das costas e tesa de frio. Parecia até uma escultura. Mas com um pouco de imaginação dava pra escutar sua história e outro tanto de amor se podia escutar os seus suspiros e perceber que suas lágrimas formaram uma poça gelada por entre suas pernas.

Comentários

Angel Cabeza disse…
Ola!
Uma história para a história. Gostei. E tocante. É só viajar nas palavras.

Você poderá encontrar-me em diversos outros sites, como Meio Tom, Revista Bula... são tantos.
Você é de SP. Já ouviu falar do folhetim PO&SIARTE? Concedi uma entrevista para eles ano passado.

Visite meu blog antigo, que não está mais apresentável, pois eu me desvinculei dele.

www.angelcesar.zip.net

Lá tem a entrevista e outros textos.

Qualquer coisa, passe um e-mail.

Abraços!
Lindo, chiquinha!!!

besos
strl disse…
Cqs,
Vc tá escrevendo muito lindo! Belo final, pega no flagra nosso olhar preguiçoso!
Bjss
Que belo, mina!

Estou adorando seus escritos das pinturas e etc...

beijão,

da ponta de cá.

Carolzinha

ah! um dia vendo essa mesma moça que chora, desenhei ela:
http://www.flickr.com/photos/destruidorasdelares/3580783612/in/set-72157606439497734/

Postagens mais visitadas deste blog

Superstição!

Árvore da Vida, do Klimt