Árvore da Vida, do Klimt


Das ficções penduradas pelo meu quarto esta é a única que não fala diretamente do amor. Apesar de que todos estes caracóis e bolinhas coloridas como flores só me fazem pensar nele.

Dá pra perceber também que esta árvore da vida ultrapassa as molduras que puseram pra ela, num corcovear infinito de vais e vens, quase mesmo que nem a vida. Alguns galhos desta árvore mítica produziram uns frutinhos, que parecem ter dois olhos egípcios, os quais eu não consigo interpretar.

Sentado quietinho, de costas pra nós, está o urubu, ou o corvo, ou uma coruja, ou mesmo um assum preto. Ele, de vez em quando, se alimenta dos frutinhos com olhos egípcios. Neste dia morre um monte de gente.

Depois parece que ele faz cocô e fertiliza o chão ali embaixo, e mais bolinhas coloridas vão crescendo como flores. Nesse dia nasce mais um monte de gente e os galhos da árvore se contorcem de alegria...

Comentários

Anônimo disse…
Estou AMANDO essa série... continua...

beijo, beijo, beijo,

Aline
strl disse…
Cqs,
Como vc descobriu esse jardim encantado nas paredes do seu quarto? Vc está apaixonada?

(Não esqueci o quanto vc gosta das árvores, tá?)

Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Superstição!