meu rei magro

Sua pele marrom parece da cor do manto
que eu preciso
meu vestido que busco em vão no cabide
e não duvide: nada acho
Embaixo, no térreo de mim onde mora meu ouro coração
bate latejante meu amante escolhido de tanta amizade
me invade namorado da estação
Queria um retalho deste cetim só pra cobrir meu revés
ah, cheirar à mirra e ir visitar meu magro mago rei
E em vez de anfitriã ser romã da sua boca
a teus pés.

mais uma vez, a Lucinda

Comentários

lia maria disse…
que linda... alguma vez te agradeci por ter nos apresentado, a Lu e eu? se não, taí, valeu mesmo.

Postagens mais visitadas deste blog

Superstição!

Árvore da Vida, do Klimt