Para molhar a palavra

Toda vez que acordo de ressaca, estas cada dia mais brabas, penso: num guento mais beber!


Mas vejo que no cotidiano da amizade, mesmo que cada vez mais espaçado, entre vocês e eu sempre tem um copo de amarelo, de vinho ou de cor de ambar.

Com pouco ou muito teor alcóolico, em ocasiões especiais ou não, pra chorar as pitangas ou morrer de rir, contar novidades ou lembrar velharias, pra fumar muitos cigarros muitos, ou conseguir não fumar nada.

Daí, lendo o livro mais genial do último mês, encontrei a justificativa:

“Eu preciso molhar a palavra. E os nossos amigos estão com o ouvido seco.”

De Alexandre, o grande contador,

do livro Alexandre e outros heróis, Graciliano Ramos

Só um pouquinho

Comentários

Anônimo disse…
Genial! Quinta tô aí no centrão molhando muitas palavras (cê me conhece, né?)... Vamos? coisa meio cedo, tipo às 17/18h...
Beijos
Raquel
James disse…
Molhar as palavras é o que liga, né, nêga? E viva o vinho com canelinha!!!

Bjo de um potencial futuro vizinho!
Aline disse…
Fiota, e eu que descobri, após uns 10 anos, que ressaca só de bebida, seja ela de qualquer cor, é muito melhor do que ressaca de bebida + cigarro. Não me entendam com anti tabagista não, nunca! Estou apenas relatando minha mais recente descoberta. Ressacas nem sempre são terríveis como eu supunha... e só beber era algo que eu desconhecia. Vivendo e aprendendo.
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Superstição!

Árvore da Vida, do Klimt